CONSTRUÇÃO DE UMA POCILGA

O porco adapta-se de tal modo à economia de quem vive em regime de autossuficiência que parece ter sido criado para esse fim. É sem dúvida um omnívoro, come praticamente de tudo, podendo comer e digerir erva. Um porco não se contenta só com erva, mas esta pode ser uma parte substancial da sua ementa. O porco vai, potencialmente, transformar em boa carne tudo o que você cultivar e produzir na sua horta, ou na sua quinta. Dê a um porco qualquer legume ou outro produto e ele irá imediatamente comê-los, transformando-os em poucas horas numa carne famosa e num estrume de primeira qualidade.

Há alguns anos atrás quase todas as famílias que viviam nas zonas rurais criavam um ou dois porcos, que alimentavam com os produtos da sua horta e com os restos da cozinha. Para além dos restos deixados nos pratos que depois eram colocados num balde, a que se chamava o “balde do porco”, aproveitava-se também a água da lavagem dos pratos e dos tachos. Os utensílios de cozinha eram lavados com água quente, sem qualquer detergente, água que depois se ia juntar aos restos do balde. Tudo era aproveitado; naquele tempo ninguém comprava ração para os porcos e a carne, talvez devido aquele tipo de alimentação natural, era indiscutivelmente muito mais saborosa do que aquela que hoje vamos comprar aos supermercados.

Eu também, em tempos, criei porcos num barracão do quintal, mas, em criança, na casa onde vivia, criavam-se porcos no rés-do-chão da habitação. Muita gente fazia isso e nas ruas da aldeia os porcos passeavam livremente e alguns até andavam atrás dos donos, tal como fazem os cães. E não era só os porcos que passeavam nas ruas. Também por lá andavam galinhas, patos e até ovelhas.

Na minha aldeia a criação de porcos caseira, tal como a acabei de descrever, já acabou há muito tempo e hoje quem faz criação desses animais tem outras condições para o fazer e, de qualquer modo, o número de pessoas que ainda pratica essa atividade é agora muito menor.

De qualquer maneira, para quem quiser começar a criar porcos ou para quem já o faça, mas queira melhorar as suas instalações, deixo aqui um exemplo, que inclui uma planta, de como construir uma pocilga.




Para iniciar a sua criação de porcos você precisa de, no mínimo, duas instalações ou compartimentos separados. Um para a maternidade, onde a porca fica com as crias, outro para os leitõezinhos desmamados. Caso você vá criar os cachaços (reprodutores) eles devem ficar separados, também em outra instalação.

A pocilga deve abrigar o animal das correntes de ar e ao mesmo tempo fornecer arejamento suficiente para que a instalação não se torne húmida. Esse ponto é importante, pois os animais devem estar bem protegidos da humidade, inimiga mortal da sua saúde. Faça a prevenção, planeando a construção de acordo com a posição do sol, fazendo-o correr de leste para oeste, por cima do compartimento do telhado. Leve também as condições do terreno em consideração: ventos, posição das sombras das árvores vizinhas, humidade e condições para o fornecimento contínuo de água. O modelo que demonstramos representa uma unidade, isto é, dois compartimentos, o mínimo necessário para a instalação de uma pequena criação.

Essa unidade poderá ser feita em uma água (queda do telhado) com duas divisões, ou duas águas com quatro divisões. Caso aumente as instalações é só seguir o modelo dessa unidade, construindo-as geminadas lateralmente ou ao fundo. Observe que os compartimentos sempre dão para um corredor comum com um portão de entrada de um lado e um portão de saída para piquete do outro, a fim de facilitar o trato e o manejo dos animais.




Utilize o tipo de material que estiver disponível: alvenaria ou madeira, telha ou sapé. O mais aconselhável é a alvenaria, com um acabamento em cimento até à altura de um metro. Isso para facilitar a limpeza diária. O piso deve ser de cimento liso, com um leve desnível em direção à parte descoberta, para facilitar a saída da água. Para a cama coloque palha de milho seca, na área coberta, trocando-a diariamente após a lavagem do recinto. Antes de um dos compartimentos ser usado como maternidade, instale nas voltas das paredes, canos ou sarrafos distantes 25 cmperpendiculares, para evitar que as fêmeas esmaguem os leitões, quando se deitarem. Os comedouros podem ser de cimento, mas chumbe ferros galvanizados em espaços de 20 cm, entre as paredes e o cocho. Isso impede que os porcos entrem e joguem fora o alimento. Instale um bebedouro por unidade, de preferência com água corrente, pois irá servir para os animais se banharem. A água correrá pela valeta, construída atrás do bebedouro.

Na época do cruzamento leve a fêmea até ao macho. Cada maternidade pode abrigar até duas fêmeas e os seus filhotes. Os bebés ficam em tempo integral com a mãe, até aos 45 dias. Daí até aos dois meses solte a porca pela manhã no piquete (zona de pasto exterior) e às três horas da tarde recolha-a para outra mamada. Assim os leitões serão desmamados sem sentir. Aos 60 dias junte os lotes de leitões na maternidade coletiva e dê-lhes ração. Entre três e quatro meses deixe-os passar o dia em livre pastoreio e recolha-os à tarde. A partir dos quatro meses eles vão para a ceva (engorda). Dê-lhes vermífugo e deixe-os confinados com ração e alimento no cocho até aos seis meses, altura em que poderão ser abatidos.

Depois de escolhida a posição no terreno e verificadas as medidas, assente o solo e inicie a construção. É sempre aconselhável a assistência de um pedreiro, caso o serviço seja executado por pessoa sem conhecimentos de construção. Coloque no solo pedras ou pedregulhos para formar o contrapiso. Lembre-se de assentar mais profundamente os locais onde se apoiarão as paredes. Assente o piso, regularizando a base do solo com um socador rústico, feito de madeira. Deixe um leve declive em direção à parte descoberta para que a água escorra com facilidade. Você pode também criar esse declive na hora de cimentar o piso.

A primeira parede a ser levantada é a do fundo até uma altura de 2,30m, com comprimento de 4m. Construa as paredes laterais com comprimento de 1,50m, de forma que terminem com a altura de 1,70m, tendo começado na parede do fundo. O declive formado será a queda da água das telhas. Instale as sustentações do telhado de acordo com o peso das telhas utilizadas. Chumbe essas sustentações nas paredes de forma a ficarem bem firmes antes de instalar as telhas. Meça o comprimento total da pocilga e erga o muro central de divisão. Forme o corredor para manutenção com muros distantes 1m, construídos perpendicularmente ao central e com comprimento de 4m. Deixe aberturas de até um metro de largura no primeiro desses muros, que forma o limite da pocilga, para instalação dos portões.

Deixe formada a depressão para a valeta. Ela pode ter a profundidade de até 5cm, desde que seja suficiente para escoar a vazão de água. Caso o declive seja satisfatoriamente acentuado, a valeta não chega a ser necessária, Cuidado para que ao construí-la não tornar muito funda a depressão, o que poderia machucar as patas dos animais. Suavize todos os cantos. Utilize cimento para fazer os cochos para alimentação, com a altura de 0,20m na frente, variando a altura de fundo até 050m. Forme com essa diferença uma cavidade onde será armazenada a comida. É importante não esquecer de chumbar, ainda durante a construção, arames galvanizados em espaços 0,20m, nos comedouros. A abertura dos comedouros, que terá o comprimento desses ferros, poderá ir até 0,50m. Não deixe que o cimento do fundo, ou mesmo de toda a parte interna, seja áspero. Alise o acabamento para que não agarre sujeira ou machuque os animais. Os bebedouros podem seguir a mesma orientação, observando-se que dêem vazão de água suficiente. Se a água for corrente isto será conseguido colocando-se um cano de vazão na parte superior. Assim haverá sempre água armazenada que estará constantemente se renovando. Caso a sua instalação não conte com água corrente, calcule 10 litrosdiários por animal e não deixe que o reservatório tenha menos que essa capacidade garantida. Dê um acabamento com cimento nas paredes internas, até um metro de altura, para garantir uma boa limpeza. Para instalar as telas de arame nas laterais externas da pocilga, calcule 1,50 de comprimento por 1m de altura, em cada lado. No compartimento que será utilizado como maternidade instale os canos distantes 0,20m ou 0,30m do solo, e 0,20m das paredes.

Por fim, cimente o piso de forma a não o deixar muito liso. Instale os portões e o telhado. Verifique que o terreno do piquete esteja cercado.

Referência bibliográfica:
ALZUGARAY, Domingo; ALZUGARAY, Cátia. Copyright Editora Três Ltda. São Paulo, Brasil. VIDA, Um Guia de Auto-Suficiência.

Artigos relacionados

CRIAÇÃO DE PATOS

Uma das primeiras obras que efetuei na minha chácara foi uma capoeira. Essa capoeira que tem cerca de 100 m2 de área, foi construída de modo a ser segura para evitar a entrada de animais predadores, como a raposa ou o gato toirão e ainda aves de rapina. Esses cuidados impunham-se...
Continue a ler


Depois do sucesso do artigo que escrevi com o título “Plantar árvores de fruto”, que já teve cerca de 8000 visualizações, decidi voltar ao assunto, falando agora da poda das árvores. Tal como fiz no artigo anterior não quero de modo algum assumir-me como um expert na matéria, quero apenas transmitir os conhecimentos que adquiri desde que, há cerca de doze anos atrás, fiz a plantação do pomar... Continue a ler

Comentários

  1. Por que instalar canos e proteção na maternidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É para abastecer os bebedouros e fazer a limpeza do espaço. Ficam afastados 20 cm das paredes para servirem de proteção contra esmagamentos.

      Excluir
  2. olá sou estudante de agropecúaria pelo instituto federal do Amazonas IFAM ,gostaria de saber como fazer uma pocilga,mas pratica tipo, uma mais facil.sem essa incanaçao toda,mas com ela por fora da pocilga
    ?

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde. Não seria mais prático e mais higiênico instalar as "Válvula umedecedora para bebedouro", que eles mordem para se hidratarem, do que uma banheira, que irá exigir uma manutenção maior?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde. Talvez tenha razão, mas não conheço o sistema de que fala. Este projeto, não foi feito por mim , ele pode servir como orientação, não quer dizer que cada um não possa fazer as alterações que achar melhor.

      Excluir
  4. Muito boa sugestão!! Vou divulgar!!
    Deliene Gutierrez, Eng.Agrônoma.

    ResponderExcluir

Postar um comentário