16 de novembro de 2012

CONSTRUIR UMA CASA DE TRONCOS


Cabana construída por Richard Proenneke em Lake Clark National Park , Alaska. (Foto Wikipédia)
Sempre gostei daquelas casinhas de troncos que os colonos construíam nas florestas e pradarias do Oeste Americano. Sonhei fazer uma para mim, mas apenas consegui fazer uma pequena barraca para arrumações, que entretanto já ruiu porque, na verdade, foi muito mal concebida. Foi feita com os toros na vertical, apoiados na terra e, inevitavelmente, a parte em contacto com a humidade do terreno apodreceu e a estrutura acabou toda por ruir durante uma tempestade.

Estava feita com toros de eucalipto e vale a pena lembrar que esse tipo de madeira é muito resistente e durável, mas para isso convém que esteja sempre seca, porque em contacto com humidade e, nomeadamente exposta à chuva, apodrece facilmente e se estiver com casca ainda é pior, pois esta absorve a água e é também um “albergue” eficaz para o bicho da madeira.

Interior de uma cabana de madeira recriada em
 Conner Prairie museu de história viva em Fishers , Indiana.
No entanto, para construir uma casa, ou melhor uma cabana de troncos, se ela for feita nas devidas condições, o eucalipto é capaz de ser, em termos de preço/qualidade, uma boa opção (falando em termos de floresta portuguesa) tendo no entanto o inconveniente de ser uma madeira muito dura e de rachar quando ocorre a secagem. Há também os toros de pinho tratado que são muito duráveis, mesmo à chuva, a avaliar pela quantidade de cercas que são construídas com essa madeira, incluindo as vedações com rede existentes ao longo das novas estradas e até os postes das linhas telefónicas que se mantêm de pé ao longo dos anos. Esse material seria o mais indicado, se não tivesse o inconveniente de ficar muito dispendioso e, talvez por isso, não se vejam muitas casas construídas com troncos desses. Aliás, Portugal não tem tradição em construções deste tipo, não existindo ou sendo muito poucas as casas construídas com troncos de qualquer espécie. Para além do eucalipto e do pinho há também outras árvores que existem em abundância e poderiam servir, como os cedros ou talvez os choupos que são, estes últimos, uma madeira muito macia e leve, mas em termos de durabilidade não serão tão aconselháveis.

Uma pequena cabana de montanha.
(Foto Wikipédia)
Mas uma pequenina casa de campo ou mesmo uma cabana numa propriedade rural, ainda que seja só para servir de arrecadação, para quem tenha um propriedade com eucaliptos ou mesmo para quem tenha de os comprar, pode ser uma boa opção em termos ecológicos, com uma aparência rústica e agradável, e também em termos de durabilidade. De salientar que os toros de eucalipto se trabalham bem em verde e se forem descascados logo a seguir ao corte ficam com uma óptima aparência lisa e o descasque realiza-se mais facilmente.

Acabei de encontrar um livro com indicações sobre a forma de construir uma casa de troncos, que passo a descrever:

Não existem segredos para se construir uma casa de troncos. É preciso apenas que você tenha boas condições físicas, paciência e alguma habilidade.


Se você pretende construir a sua própria casa de troncos, a primeira coisa que terá de fazer é escolher um terreno adequado, de preferência plano. Saiba ainda que uma casa deste tipo necessita de um alicerce melhor e maior do que o necessário para uma casa convencional, porque uma parede de troncos, normalmente, tem um peso quatro vezes superior a uma parede de tijolos. O alicerce para uma casa de troncos, segundo as especificações técnicas, tem de estar pelo menos a 70 cm de profundidade. Para isto escave uma vala no chão com uma largura de 30 cm, e comprimento de sete metros por lado, formando assim a base quadrada da casa desejada. A seguir, coloque nas laterais da vala pranchas de madeira de modo que fiquem 30 cm acima do nível do chão (fig. 1). Não se esqueça de deixar a abertura onde se colocará a porta. Para a correta fixação das pranchas, faça um apoio bem firme a elas para que quando for enchê-las de concreto não caiam com a pressão que o concreto exercerá. O apoio poderá ser feito com os próprios troncos que você utilizará na construção da casa. As pranchas só poderão ser retiradas após três dias de concretagem. Para começar a montar os troncos espere no mínimo uma semana, até que o concreto esteja totalmente seco. A lage servirá de apoio aos troncos e também evitará a humidade que o solo naturalmente possui.

Depois da laje seca faça o piso de cimento e areia (na proporção de um para três) e aplique o Vedacit em todo ele, para não subir a humidade.

Para uma cabana pequena são necessários 75 troncos, cada qual com oito metros de comprimento. Se quiser utilize o Pinus elliottii, uma madeira resistente e oleosa, que evita rachaduras. Corte os troncos na época da seca, quando eles absorvem menos líquido, e na lua minguante. Na construção você poderá usar árvores descascadas ou não. Isto ficará a seu critério. Caso resolva descascá-las, bata nos troncos com uma marreta ou pedaço de pau e depois puxe a casca.

A primeira etapa da construção da cabana em si é a colocação dos troncos. Para o início da colocação, os dois primeiros deverão ser cortados ao meio, para que a base tenha uma altura uniforme. Os demais serão inteiros, como mostra a figura 2. As duas primeiras rodadas serão colocadas manualmente, mas considerando-se que estes troncos pesam mais de 200 quilos cada um, o trabalho manual a cada rodada vai-se tornado mais difícil. Então você pode colocar o restante dos troncos com a ajuda de um guindaste.

Mas para que você tenha chegado à etapa da construção em si, teve de antes preparar os troncos. O melhor método de trabalho é o conhecido como full scribe e, para utilizá-lo, é preciso ter um bom stock de troncos. Perceba que alguns dos troncos têm o diâmetro maior numa extremidade do que na outra. Isto significa que existe um vão entre uma ponta e outra. Você pode perfeitamente usar troncos deste tipo desde que se preencham as falhas entre eles com reboco (misture serragem fina com cola branca e um pouco de cimento). Mas não faça isso se a construção for bem encaixada no estilo escandinavo, onde os troncos se encaixam perfeitamente uns sobre os outros. O ideal é que os troncos não diminuam mais do que alguns centímetros de ponta a ponta. Mas se você não dispuser de troncos suficientemente bons não desanime e meta mãos à obra.

Com os troncos à disposição vamos cortar a madeira para o procedimento full scribe. Em primeiro lugar você necessita de um nivelador, que consiste num aparelho com níveis de bolha para o perfeito alinhamento. Para começar centralize o tronco que você cortará de forma que ele fique acima e paralelo ao tronco no qual ele deverá encaixar-se. Depois descubra a diferença máxima entre os dois troncos e marque este intervalo. Agora, segundo o instrumento com a bolha de nível horizontal, trace o comprimento em todo o tronco. Faça então uma cavidade em cada extremidade do tronco, seguindo a figura três. Em seguida você terá de cortar duas reentrâncias circulares, perpendiculares ao tronco (para acomodar os troncos perpendiculares a ele) e também um rebaixo nos troncos para que um se acomode ao outro, de maneira que eles tenham o apoio um do outro (fig. 4). Para formar as reentrâncias circulares use uma serra com alta velocidade. Serre primeiro no sentido vertical até ao ponto mais baixo da reentrância e depois corte em direção a este ponto cada um dos lados. Isto será suficiente para que você consiga eliminar a maior parte da madeira.

Agora, faça uma série de cortes verticais, cada um deles com apenas a largura da serra, trabalhando do centro em direcção às laterais. Use a ponta da barra e deixe ele funcionar um pouco para conseguir que a curva fique com o formato de uma tigela. Quando terminar você deve ser capaz de colocar uma extremidade lisa sobre a reentrância e ainda enfiar os dedos debaixo dela.

Finalmente você pode alisar melhor os lados, aplicando a serra de um lado para o outro a 90 graus em relação à curva, até que o corte fique tão liso como se tivesse sido feito com um formão. Você certamente levará mais ou menos uma hora para conseguir a sua primeira reentrância, mas depois de ter um pouco de prática, será capaz de fazer isto em minutos.

Com este método de construção, você não terá de esperar para mudar. Você pode mudar-se imediatamente, mas terá de calcular 10 cm por pé (altura) no sentido vertical para a acomodação da madeira. Isso significa que você terá de deixar abertura sobre todas as portas e janelas para compensar o facto de que tudo irá acomodar um pouco. Faça molduras em volta das aberturas de janelas ou portas. Essas molduras podem ter uma espessura de até 4 cm, e a mesma largura dos troncos. Faça o tamanho das folhas de janelas ou portas de modo a passarem internamente pelas molduras. Instale internamente as dobradiças, entre as folhas e as molduras, escolhendo o lado em que as folhas deverão abrir. Com as folhas acomodadas, isto é, fechadas na posição em que irão ficar, calcule a medida onde se deve colocar os batentes. Esses batentes serão o ponto onde as janelas ou portas encostarão para estarem fechadas. Para as janelas use sarrafos (2x2 cm). Nas molduras das portas utilize pranchas (2x5cm). Utilize três dobradiças nas portas e não esqueça de colocar a fechadura ou trinco. Você pode dar um acabamento em todas as molduras fixando ripas 1X10cm) no limite dos troncos.

Você ainda terá de tomar cuidado com os encanamentos. Na verdade não instale qualquer tipo de encanamento pelas suas paredes de troncos, porque as paredes se movimentam, mas os canos não fazem isso. Além disso se você colocar canos dentro destas paredes e alguma rebentar um dia, como é que você vai fazer para consertar o estrago? Sendo assim, os encanamentos têm de ser presos por ganchos e não amarrados aos troncos (fig. 6).

O próximo passo é a colocação do teto. Para se ter o perfeito caimento das telhas Eternit, centralize o quadro da casa e levante dois sarrafos finos, de 30 cm de altura, em cada lado da casa. A seguir coloque outro sarrafo entre eles que servirá de apoio ao teto. Coloque então dois sarrafos no final do caimento para que as telhas tenham um bom caimento. As telhas serão colocadas fixadas por pregos inoxidáveis próprios.

Os fios elétricos devem ser conduzidos não por dentro das toras mas por condutores plásticos, desses que se usam nas construções convencionais e, assim como os encanamentos, devem ser presos por ganchos.

As fendas deixadas entre um tronco e outro devem ser vedadas com uma mistura de serragem fina com cola branca e mais um pouco de cimento. Faça uma inspeção e, se em alguns lugares a vedação das fendas está afrouxando, você tem de aplicar uma segunda camada desta mistura para reparar as falhas.

Por fim, aplique um conservante para madeira, de nome Prema, vendido comercialmente. A seguir misture água mais sais de Ulma e aplique com uma brocha em toda a casa, também para a conservação. Depois de bem  seco, aplique verniz de acetato de ponivinila. Se você conseguir evitar a ação dos insetos, do sol e da água, a sua casa irá durar para sempre.

Referência bibliográfica:
ALZUGARAY, Domingo; ALZUGARAY, Cátia. Copyright Editora Três Ltda. São Paulo, Brasil. VIDA, Um Guia de Auto-Suficiência.

O artigo aponta para a construção de uma casa quadrada com cerca de 49 m2. Fala em troncos com 8 m de comprimento, mas não especifica o diâmetro embora adiante que serão necessários cerca de 75 troncos, o que significa que esse diâmetro será de, aproximadamente 20cm. Também diz que uma parede de troncos terá um peso superior em 4 vezes ao peso de uma parede de tijolos e que para isso o alicerce terá de ser maior do que para as paredes de alvenaria.

Não duvidando dessa teoria parece-me, porém um pouco exagerados esses cálculos entre a relação de peso parede de troncos/parede de tijolos, até porque o peso da parede de troncos vai depender muito do diâmetro dos toros que se vai utilizar e também do tipo de árvore que os vai fornecer. De qualquer maneira, qualquer alicerce que se construa será sempre melhor que peque por demasia do que por defeito.

Como se trata de um artigo de um livro brasileiro, os materiais indicados para a construção, como os troncos, as telhas ou os produtos para conservação, provavelmente não existirão em Portugal com aquela designação, mas existem outros equivalentes que poderão ser usados.

O autor menciona também que os troncos poderão ou não ser descascados, ficando isso ao critério de cada um. Eu, neste caso, optaria por descascar os troncos, não só porque a casa ficará com melhor aspeto, como depois a aplicação dos produtos conservantes será mais fácil de efetuar, ficando estes com maior eficácia uma vez que mais facilmente penetrarão nos troncos.

Numa construção deste tipo e, mesmo não tendo eu experiência neste tipo de trabalho, parece-me lógico pensar que a preparação dos troncos deverá ser um trabalho cuidadoso e de paciência, para que estes fiquem bem encaixados entre si, de modo a que depois não fiquem espaços muito grandes para vedar e para que a construção fique o mais perfeita possível, pois, como é evidente, uma coisa é olhar para as gravuras onde os toros estão desenhados na perfeição, outra bem diferente é a realidade, e essa realidade diz-nos que será difícil conseguir que todos os toros sejam direitos e com um diâmetro totalmente igual e perfeito, para além de que algumas madeiras têm tendência para entortar com a secagem.

Em pequenas propriedades rurais é comum verem-se pequenas casas em tijolo ou em blocos de cimento, que servem apenas como abrigo e apoio ao trabalho lá efetuado e também para guardar ferramentas ou até alguns produtos agrícolas. Esses edifícios destoam do ambiente que os envolve e uma cabana de troncos bem construída poderia fundir-se melhor na paisagem e até ser de construção mais económica.

Encontrei um site inglês que ensina também a construir  uma casa de troncos. A forma e o método são basicamente os mesmos que já foram descritos, mas contém algumas ilustrações que podem ser de grande ajuda:





Ilustrações de Harry Schaare. Popular Mechanics December 1983.


http://history.howstuffworks.com/american-
history/history-of-the-log-cabin.htm
A construção de cabanas de troncos (Log Cabins) teve a sua origem na Escandinávia e Europa Oriental. As estruturas de toros foram primeiro, provavelmente, construídas no norte da Europa, na Idade do Bronze (cerca de 3.500 aC). Quando os europeus se começaram a estabelecer na América do Norte levaram consigo a tradição de usar os troncos para construir casas, celeiros e outras dependências que usavam nos países escandinavos.

As cabanas de madeira têm sido um símbolo da origem humilde de muitos políticos americanos, desde o início do século XIX. Sete presidentes dos Estados Unidos, entre os quais Abraham Lincoln, Andrew Jackson e James Buchanan, nasceram em cabanas de madeira. A sua origem humilde não foi obstáculo ao sucesso e mais tarde outros candidatos, em campanhas eleitorais, usaram a Log Cabin como símbolo para mostrarem aos americanos que também eles eram homens do povo.

Atualização em 12 de Outubro de 2014

Entretanto, já construí a minha própria cabana de troncos. Uma mini-cabana sobre a qual já escrevi alguns artigos neste blog. Deixo um pequeno filme sobre o trabalho que, espero, possa contribuir também para ajudar quem decidir aventurar-se numa construção do género. 

11 comentários :

  1. Procurei por muito tempo e encontrei aqui o que procurava. Agradecido. Ivo Fraga

    ResponderExcluir
  2. Gostei das informações. Estou pesquisando, pois tenho planos para construir uma cabana de pesca a ser levantada a beira do Rio Uruguai e que possa tambem servir de abrigo para um barco de oito metros. Muito obrigado.
    Alcindo Rossato

    ResponderExcluir
  3. MORO NO NORTE DO BRASIL DIFÍCIL DE CONSEGUI PINHO E EUCALIPTO JÁ PREPARADO PARA CONSTRUÇÃO DE CASA DE TRONCO QUAL OUTRA MADEIRA VIÁVEL PARA ESTA CONSTRUÇÃO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou de Portugal e não conheço muito bem as madeiras brasileiras, pelo que não o posso ajudar, mas certamente que haverá muitas por aí que serão ótimas para o que pretende.

      Excluir
    2. No norte do Brasil existem inúmeras madeiras que podem ser usadas para isso, mas eu recomendaria a garapeira, pois tem uma boa durabilidade ao apodrecimento e o cupim de madeira seca não vai nela.
      É chamada também como garapa, grapiapunha, muirajuba, barajuba e jataí-amarelo.

      Excluir
  4. fiquei muito satisfeito em encontrar o blog. Tenho o livro, e mais 5 deles, sendo tres "Vida Rural" e três não... mas procurava algo a mais, como piso e cobertura.... parabéns pelo blog,... Joel

    ResponderExcluir
  5. Qual o nome do livro para que possa adquiri-lo.resposta no meu email lopeseduardo93@gmail.com.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A referência bibliográfica do livro está devidamente assinalada no final da parte do texto que está escrito em itálico.

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Estou pretendendo construir uma casa feita de troncos de eucaliptos de dois andares, com cozinha, banheiros etc.. Como seriam colocados, e/ou embutidas, as tubulações de água e esgoto sem causar umidade na madeira ?
    Mui grato,
    Klaus
    klausurban@globo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os tubos forem de boa qualidade e a canalização bem feita não me parece que existam problemas com humidade na madeira. Claro que os tubos, embutidos ou não, deverão ficar presos aos troncos de modo a que não sofram estragos com a dilatação da madeira, conforme está mencionado no artigo. A forma de os embutir depende do modo como a construção vai ser feita, mas parece-me ser mais seguro deixar a tubagem acessível para evitar problemas futuros.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...